Resiliência de Sistemas: Como operar em uma nova realidade?

Na última década, a resiliência de sistemas tem sido amplamente abordada por empresas de diversos tamanhos e segmentos. De fato, essa é uma questão crítica que deve estar no centro das preocupações das equipes de TI, uma vez que impacta diretamente na performance e até mesmo na continuidade dos negócios.

No entanto, apesar da relevância do tema, a pesquisa Future Systems da Accenture, realizada antes da crise da COVID-19 com 8.300 empresas, apontou que somente 10% delas estão com sistemas resilientes.

Mas, afinal, o que significa ter sistemas resilientes? Este tema é essencial nessa nova realidade onde as empresas precisam se adaptar com disponibilidade, confiabilidade, robustez, segurança, proteção e capacidade de sobrevivência.

Confira as respostas para essa e outras questões a seguir!

O que significa, de fato, resiliência de sistemas?

Basicamente, um sistema resiliente é aquele capaz de cumprir sua missão mesmo diante de crises e adversidades. Isto é, fornecer os recursos necessários e continuar operante, apesar do estresse excessivo da operação.

Por exemplo, com a pandemia causada pelo novo coronavírus, muitas empresas tiveram que adotar o trabalho remoto para atender aos protocolos novos de saúde.

Nesse sentido, as empresas que contam com um alto grau de resiliência de sistemas foram capazes de se adaptar a essa nova realidade de forma rápida, sem gerar interrupções significativas.

A resiliência, no entanto, não se aplica somente às situações extremas. Ela é a resposta para uma série de situações corriqueiras, como defeitos residuais no software ou hardware, falhas de segurança, capacidade de armazenamento ou processamento, etc.

É importante observar que é praticamente impossível ter um sistema 100% resiliente a todo tipo de adversidade. No entanto, as empresas podem e devem contar com sistemas com alto grau de resiliência, que permitam detecção de eventos adversos, respostas adequadas a eles e rápida recuperação.

Como “construir” sistemas resilientes?

O primeiro passo para alcançar a resiliência consiste em entender o escopo do que significa para um sistema resistir às adversidades. Para isso, é preciso responder às seguintes questões:

  • Quais recursos/serviços críticos o sistema precisa continuar a fornecer sem interrupções?
  • Que tipos de adversidades podem atrapalhar o fornecimento desses recursos críticos (ou seja, quais eventos e condições adversas o sistema deve suportar)?
  • Quais são os tipos e níveis de danos que podem causar essas interrupções?

A partir dessas respostas, é possível pensar em soluções que visem manter o funcionamento de certos recursos essenciais para a continuidade da empresa em momentos de adversidades.

De modo geral, existem uma série de fatores que podem ajudar as empresas a alçarem a resiliência de sistemas. Confira os principais abaixo:

Ambiente de trabalho elástico

Aqui, é possível elencar uma série de características que fazem com que um ambiente de trabalho seja mais elástico. Alguns exemplos são:

  • Ferramentas de trabalho flexíveis: atualmente, as empresas têm buscado implementar soluções que permitam a adoção de estratégias modernas, como o BYOD, para aumentar a produtividade e reduzir custos. Isso inclui, por exemplo, aplicações em nuvem, aplicativos empresariais para dispositivos móveis, etc.
  • Soluções que permitam o trabalho remoto: a crise da COVID-19 mostrou que o ambiente de trabalho não deve ser restrito à localidade da empresa. O Home Office, além de uma solução em períodos de crise sanitária, também é uma importante tendência do mercado de trabalho.
  • Infraestrutura escalável: isso permite o aumento da carga de trabalho, do número de usuários e a incorporação de novas soluções tecnológicas de forma rápida e prática. A Computação em Nuvem é uma ótima aliada nesse sentido.

Cibersegurança

Sem dúvidas, os ataques cibernéticos são alguns dos principais causadores de interrupções nas empresas. Por isso, para que seus sistemas sejam resilientes, você precisa contar com soluções de segurança capazes de detectar ameaças e proteger seus ativos.

Logo, a dívida de segurança é um fator que deve ser mitigado para que seja possível vislumbrar um ambiente com sistemas resilientes.

Aceleração e otimização da Nuvem 

Como já mencionado, a Nuvem é uma importante aliada das empresas que buscam alcançar a resiliência de sistemas. Além de flexibilidade e escalabilidade, ela oferece uma série de outros benefícios para os negócios, tais como alta disponibilidade e maior segurança.

No entanto é preciso analisar quais “Workloads” são os mais adequados para serem migrados para a Nuvem e quais “Workloads” são os mais recomendados para continuarem dentro de casa.

Uma forte tendência de mercado, segundo levantamento do Gartner, é a adoção de sistemas híbridos e Multicloud, possibilitando otimização de custos e a adoção de estratégias mais eficazes para as empresas.

Replicação de dados

A replicação de dados é essencial para as empresas que buscam a rápida recuperação, após um episódio de fatalidade. Esse tipo de método é usado, em grande parte dos casos, por corporações que possuem mais de uma estrutura de datacenter.

Dessa forma, caso ocorra algum intercorrência em um deles, existe a possibilidade de continuidade das operações, a partir do outro datacenter. Consequentemente, a companhia previne qualquer tipo de desastre que venha a exercer impacto negativo na infraestrutura de TI.

Por onde começar?

Agora você já sabe um pouco mais sobre a resiliência de sistemas e porque é importante que sua empresa encontre formas de operar nessa nova realidade.

De fato, não é uma tarefa fácil, mas é necessária para as empresas que desejam obter alta performance e produtividade com segurança.

Sem dúvida, nesse processo é essencial contar com uma assessoria especializada, que possa oferecer a capacitação de sua organização e que ajude sua equipe a elaborar as melhores estratégias e adotar soluções tecnológicas que agreguem ainda mais valor ao seu negócio.

Lembre-se que a resiliência de sistemas exige um amplo conhecimento sobre as mais diversas soluções tecnológicas disponíveis no mercado. Logo, o caminho mais prático e seguro é recorrer a especialistas que possam direcionar suas ações, de acordo com a realidade de sua empresa.

Gostou de saber um pouco mais sobre resiliência de sistemas? Então, aproveite a oportunidade para conhecer um pouco mais sobre dívida técnica e o quanto ela pode impactar no seu negócio.

One Comment on “Resiliência de Sistemas: Como operar em uma nova realidade?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *